Soja em Chicago começa semana com estabilidade nesta 2ª de olho no cenário geopolítico global

O mercado da soja trabalha com estabilidade no pregão desta segunda-feira (16) na Bolsa de Chicago. As cotações, por volta de 7h35 (horário de Brasília), subiam entre 0,50 e 1 ponto nos principais contratos, com o maio/18 sendo cotado a US$ 10,55 por bushel.
 
As leves altas registradas pela commodity são, ao lado do algodão, uma exceção entre as commodities agrícolas, que caem de forma generalizada neste início de semana, tal qual o dólar, que cede mais de 1% na manhã de hoje no mercado futuro americano.
 
Segundo explicam analistas internacionais, os traders ainda buscam definir uma direção para as cotações, diante de informações que pesam sobre os dois lados da tabela.
 
De um lado, os fundos mais posicionados do lado da compra e um clima um pouco mais seco no Meio-Oeste americano pesam sobre os preços, enquanto alguns pontos do Corn Belt que ainda apresentam adversidades dão suporte aos futuros, de acordo com os especialistas da consultoria internacional Allendale, Inc.
 
Ainda nesta segunda-feira, o mercado se atenta também aos dados dos embarques semanais norte-americanos que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulga no início da tarde, tal qual os números do esmagamento de soja nos EUA em março no reporte que vem da NOPA (Associação Nacional dos Processadores de Oleaginosas dos EUA).
 
Além disso, as questões geopolíticas também ainda têm espaço garantido entre os traders, uma vez que além da disputa comercial com a China, os EUA agora lidam com os impactos dos ataques feitos à Síria no último final de semana.
 
Como explica o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, a situação poderia dar espaço para uma alta do dólar no quadro internacional, bem como exercer uma pressão sobre as commodities, com os investidores "buscando proteção".
 
"Assim, teremos uma semana com novas notícias e agora a guerra. Normalmente, não é muito bom para os negócios porque deixa o setor nervoso, mas não acreditamos em grandes baixas nesta boca de plantio dos EUA, porque poderá desanimar os produtores de lá. Mas será uma boa semana para se acompanhar, com a possibilidade de algumas flutuações para um lado e para o outro, não mostrando espaço grande para nenhum deles", diz Brandalizze.

mais
Notícias
do setor

Secretaria de Agricultura e Abastecimento destina R$ 16 [...] 16 de Novembro 2018

O clima é o principal fator de risco para a produção agrícola. Temporais, secas prolongadas e geadas podem comprometer a renda do [...]

ler mais

Sementes valiosas 13 de Novembro 2018

Por: Marino Guerra Na virada do século a cultura do amendoim nas regiões canavieiras parecia que ia acabar. O setor canavieiro iniciava sua [...]

ler mais

AÇÚCAR/CEPEA: Indicador retoma casa dos 67 reais/sc 13 de Novembro 2018

Neste início de novembro, o Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar cristal, cor Icumsa de 130 a 180, no mercado paulista, voltou à casa [...]

ler mais

Agronegócio da África renderá US$ 1 trilhão até 2030 13 de Novembro 2018

Empresas participantes do Fórum de Investimento da África afirmaram que o agronegócio no continente deve chegar ao valor de US$ 1 [...]

ler mais

Queda na produção eleva cotações do açúcar 13 de Novembro 2018

Os contratos futuros do açúcar voltaram a subir nas bolsas internacionais nesta segunda-feira (12), após a Unica anunciar a [...]

ler mais

Grupo de países latino-americanos combate desinformação [...] 08 de Novembro 2018

Consolidar uma aliança definitiva entre os países produtores de açúcar da América Latina. Este é o principal objetivo [...]

ler mais

@ 2018 Agronegócios Copercana Todos os direitos reservados