As vantagens da bioeletricidade para o setor elétrico nacional

Por: Fernanda Clariano


De acordo com dados divulgados pela CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), o setor sucroenergético exportou 21,4 TWh (terawatt-hora) para o SIN (Sistema Interligado Nacional) em 2017, o que representa o equivalente a 5% do consumo nacional, ou 35% da produção de energia elétrica do Estado de São Paulo, ou o equivalente para abastecer durante todo ano de 2017 mais de 11 milhões de residências, ou 12 vezes o consumo total de energia elétrica da cidade de Ribeirão Preto.

"Esses números representam apenas 15% do potencial da geração da bioeletricidade para a rede. O desafio do setor é aumentar essa participação na matriz de energia”, disse o gerente de bioeletricidade da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), Zilmar Souza. Ainda segundo o executivo, a produção de bioeletricidade para a rede elétrica atingiu quase 26 mil GWh em 2017, um crescimento de 7% em relação ano anterior.

 “Atualmente, por volta de 5% do consumo de energia no Brasil provém da biomassa, mas acreditamos que esse número pode crescer. Basicamente se aproveita 20% desse potencial, o que poderíamos explorar e aumentar num curto período de tempo. No passado tivemos um aumento expressivo da biomassa, deu uma estabilizada com a crise, mas achamos que crescerá novamente”, comentou o executivo durante o segundo Encontro de Relacionamento realizado pela Votorantim Energia, no dia 27de fevereiro, em Ribeirão Preto-SP. O evento reuniu fornecedores de energia gerada pela cana-de-açúcar e profissionais do setor para discutirem a bioeletricidade produzida a partir do bagaço da cana.
 
A Votorantim administra 6% do consumo de energia elétrica industrial, o equivalente a 3% do consumo total do país, e atua com o objetivo de construir uma trajetória de energia limpa e sustentável, lastreada em fontes renováveis e em soluções inovadoras e eficientes.

“O setor de biomassa é extraordinário. Se olharmos qualquer projeção que existe atualmente no mundo em relação à matriz renovável, o Brasil ganha disparado de qualquer outra matriz. Para a Votorantim, o tema sustentabilidade é muito importante, temos no nosso DNA não investir em energia que não seja renovável”, afirmou o presidente da Votorantim Energia, Fábio Zanfelici, que na ocasião também destacou a importância do setor sucroenergético. “Enxergamos o setor como grande parceiro, tanto para a comercialização como também para atender aos negócios da Votorantim Energia. É um setor onde temos grande apreço”.

“Cada vez mais estamos buscando uma energia de fonte renovável e a bioeletricidade, além de trazer emprego para a região e para o Brasil, tem muita capacidade de crescer. Ainda temos muito a gerar em energia para o Brasil no futuro”, destacou o gerente geral de comercialização da Votorantim Energia, Leonardo Vinícius Gomes.

As vantagens de o Brasil usar a bioenergia como fonte elétrica foi destacada pelo pesquisador Bernardo Bezerra. “A bioenergia tem dois principais atrativos, o primeiro é ela ser uma fonte contra sazonal, gerando energia justamente no período de seca e, além disso, é uma geração considerada de base. Ela firma o sistema no período em que precisa, diferente de outras alternativas termelétricas.Outro aspecto da biomassa é que não há a intermitência que as outras fontes como a eólica e a solar possuem,mantendo a produção ao longo de todas as horas do dia, sem a incerteza de qual será a produção na próxima hora”, explicou o pesquisador.

Atualmente, a energia proveniente do bagaço da cana corresponde a 4,6% da produção de eletricidade do Brasil. A expectativa com o RenovaBio e com o apelo ambiental é que esses números aumentem, mas isso só deve acontecer a longo prazo.
“Existem aspectos muito positivos com o RenovaBio como as metas de redução e de aumento de eficiência, onde o setor pode ter uma grande alavancagem nos próximos três ou cinco anos. Naverdade, é uma perspectiva de aumento a médio prazo”, ressaltou Bezerra.
 
Explorando a cana-de-açúcar
Conforme cresce o país, aumenta também a demanda por energia elétrica, porém a produção de bioenergia vinda da cana vem estagnando. Em 2017 cresceu apenas 1% em relação ao ano anterior. “No ano de 2017 em relação a 2016, a oferta da bioeletricidade aumentou 1% e está aquém, muito abaixo do seu potencial”, disse o gerente de bioeletricidade da Unica.


O setor canavieiro extrai atualmente da cana-de-açúcar três produtos que são o açúcar, o etanol e a cogeração, mas deixa de explorar outros valores. “Temos biomassa na ponta e na palha da cana, nos resíduos que ficam no campo e que poderiam ser aproveitados de outra forma”, ponderou o engenheiro agrônomo José Alencar Magro. O profissional, que participou do encontro, aproveitou para falar do seu estudo sobre cana integral que prevê o aproveitamento da palha e da ponta da cana, geralmente desperdiçadas no processo. “A biomassa da folha e da ponta da cana que são descartadas correspondem aproximadamente a 15 Itaipus, sendo que, aproveitando essa biomassa teríamos um suprimento muito grande de energia elétrica a um custo muito baixo”, vislumbrou Magro.
 
 

mais
Notícias
do setor

Açúcar sobe 412 pontos em 30 dias, em NY 22 de Outubro 2018

Os contratos futuros do açúcar fecharam em alta na sexta-feira (19). Em Nova York os contratos para março/19 foram firmados em 13.89 [...]

ler mais

Plantio da soja no Brasil é o mais acelerado da história 22 de Outubro 2018

O levantamento semanal realizado pela consultoria AgRural constatou que o plantio da soja safra 2018/2019 de soja chegou na quinta-feira (18) a 34% da [...]

ler mais

Como o agronegócio vence a crise? 22 de Outubro 2018

O agronegócio foi um dos poucos setores que tiveram forças para remar contra a maré da recessão que tomou conta da economia [...]

ler mais

Etanol: hidratado cai 0,45% e anidro sobe 3,17% nas usinas [...] 22 de Outubro 2018

O etanol hidratado registrou queda no período de 15 a 19 de outubro, pelos índices do Cepea/Esalq, da USP, em São Paulo. Na última [...]

ler mais

Plantio da soja em Goiás segue acelerado em relação ao ano [...] 19 de Outubro 2018

Com a chegada antecipada das chuvas, a previsão climática favorável ao andamento da safra de soja em Goiás. Pouco mais de duas [...]

ler mais

Chuvas colhem adiantamento da safra de cana do PR. Há um [...] 19 de Outubro 2018

Situação se inverteu em menos de 15 dias. Em uma semana, mais de 200 mm de chuva. Nenhuma usina funcionando hoje (18). 27 mi/cana contra 28 mi/t [...]

ler mais

@ 2018 Agronegócios Copercana Todos os direitos reservados