Brasil terá apoio de outros produtores em disputa com a Índia

A primeira disputa que o governo de Jair Bolsonaro deve encarar na Organização Mundial do Comércio (OMC) será contra os subsídios da Índia ao açúcar e, segundo fontes, o país terá apoio de outros produtores, como a Austrália.
 
A Câmara de Comércio Exterior (Camex) autorizou nesta semana o início do contencioso contra a Índia, sob a alegação de que os subsídios excessivos oferecidos por Nova Déli afetam os preços internacionais da commodity e causam prejuízos a outros produtores.
 
Uma vez que o Brasil acionou o mecanismo de disputa, estabelecem as regras da OMC, a primeira fase será de consultas, no ano que vem. Depois o governo terá de tomar a decisão de pedir a criação de um comitê de investigação sobre as medidas indianas.
 
Até agora, o Brasil mostrou uma atitude mais moderada em relação à Índia. Chegou a sugerir inclusive que o país utilizasse mais cana para produzir etanol, em detrimento do açúcar, e ajudasse a criar um mercado amplo para o biocombustível. A paciência dos parceiros com a atitude indiana, contudo, parece ter chegado ao fim.
 
Estudo da associação dos produtores de açúcar da Austrália aponta um excedente grande de açúcar no mundo entre 2017 e 2019, de 12,4 milhões de toneladas, e estoques recorde de 15,6 milhões de toneladas. A constatação é que esse excesso de oferta tem sido gerado principalmente por políticas governamentais e pelo clima favorável. Assim, os australianos calculam que os países exportadores estão tendo prejuízos.
 
Entre as políticas governamentais, a indiana é que mais preocupa, já que ajudará a tornar o país o maior produtor mundial nesta safra 2018/19, com cerca de 34 milhões de toneladas.
 
A Austrália calcula que os subsídios de US$ 150 por tonelada na Índia são suficientes para incentivar exportações. Sem o amplo excedente indiano, os australianos estimam que teriam US$ 33 a mais por tonelada em 2018/19.
 
A Índia é acusada de violar seus compromissos na OMC. As regras do órgão permitem subsídios equivalentes a 10% do valor da produção. Mas de 2011/12 a 2016/17, 90% do valor da produção de cana foi subsidiada no país.
 
Além desse caso do açúcar, o governo Bolsonaro também terá de decidir rapidamente se o Brasil pedirá um "painel de implementação" na OMC contra a Indonésia por causa de barreiras de entrada ao frango brasileiro em seu mercado. Os juízes da OMC deram razão ao Brasil, mas a Indonésia segue sem implementar totalmente suas recomendações, o que continua a causar dificuldades para o Brasil exportar.
 
Texto extraído do boletim SCA

mais
Notícias
do setor

Açúcar: contratos seguem valorizados no mercado externo 21 de Janeiro 2019

Os contratos futuros do açúcar encerraram a semana em alta. Na sexta-feira (18), em Nova York, o lote para março/19 foi firmado em 13.03 [...]

ler mais

Exportações do agro em alta de quase 6% ultrapassam US$ 100 [...] 21 de Janeiro 2019

As exportações do agronegócio atingiram o valor recorde nominal de US$ 101,69 bilhões em 2018, com crescimento de 5,9% em [...]

ler mais

Etanol: hidratado cai 1,90% e anidro recua 1,22% na semana 21 de Janeiro 2019

No período de 14 a 18 de janeiro, o etanol hidratado recuou, pelos índices do Cepea/Esalq, da USP, em São Paulo. Na última semana, [...]

ler mais

Produção de açúcar na Índia em 2018/19 atinge 14,6 mi de t [...] 21 de Janeiro 2019

A produção de açúcar na Índia na safra 2018/19 atingiu 14,686 milhões de toneladas até 15 de janeiro, segundo [...]

ler mais

Oferta de milho deve aumentar no Brasil e no mundo em 2019 17 de Janeiro 2019

A oferta de milho tanto a nível nacional, quanto internacional, devem ser maiores na safra 2018/19. Segundo análise feita pelo Centro de Estudos [...]

ler mais

Produtor precisa fazer o cadastro da atividade econômica de [...] 17 de Janeiro 2019

A inscrição para o produtor rural no Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física (CAEPF) é obrigatória desde [...]

ler mais

@ 2019 Agronegócios Copercana Todos os direitos reservados