Imóvel rural, sua função social e o dever de indenizar o confrontante prejudicado pelas águas pluviais dele advindas

*Juliano Bortoloti
*Diego Henrique Rossaneis
 
Atualmente, todo o imóvel rural existente no país deve observar o princípio constitucional da função social que a ele é inerente. Em razão disso, o STJ (Superior Tribunal de Justiça), em decisão recente, definiu que: “Então, do proprietário – assim como do possuidor – exige-se uma atuação voltada não só à preservação do imóvel, mas também à manutenção do equilíbrio e do bem-estar da comunidade em que o bem está inserido.

Sob essa perspectiva, conclui-se que o art. 1.288 do CC/02 há de ser interpretado à luz do princípio constitucional da função social, que qualifica a propriedade como uma relação jurídica complexa, em que se estabelecem direitos e deveres recíprocos, a partir da articulação entre o interesse do titular e a utilidade social” (Recurso Especial Nº 1.589.352 – PR (2016/0060888-2).

E razão disso, o referido Tribunal condenou um proprietário rural a indenizar o vizinho pelo despejo de águas pluviais (chuva) que prejudicavam o cultivo de sua lavoura, assim decidindo: “De acordo com a regra insculpida no art. 69 do Decreto 24.643/34 (Código de Águas), que é a lei geral sobre o aproveitamento das águas comuns e das particulares, os prédios inferiores são obrigados a receber as águas que correm naturalmente dos prédios superiores”. Tal regra “foi repetida no art. 1.288 do Código Civil de 2002, sob o enfoque especial dos direitos de vizinhança, assim estabelece: ‘o dono ou o possuidor do prédio inferior é obrigado a receber as águas que correm naturalmente do superior, não podendo realizar obras que embaracem o seu fluxo; porém a condição natural e anterior do prédio inferior não pode ser agravada por obras feitas pelo dono ou possuidor do prédio superior".

Entendeu o STJ, neste caso, que mesmo não havendo obras no imóvel que interferissem diretamente no curso das águas da chuva, o fato da exploração da atividade da pecuária exercida pelo proprietário do imóvel superior e a falta de contenção de águas provocou o agravamento da condição natural, prejudicando o cultivo do proprietário do imóvel inferior, gerando, consequentemente, o dever de indenizar.

Este precedente surge como norteador para os proprietários de imóveis rurais tomarem as precauções devidas em seu imóvel, de forma que a atividade nele exercida não agrave sobremaneira a sua condição natural no escoamento de água pluvial, evitando-se, assim, o dever de indenizar.

*Juliano Bortoloti e Diego Henrique Rossaneis são advogados

mais
Notícias
do setor

Prêmio VisãoAgro Centro-Sul chega à 10ª edição em 2019 18 de Julho 2019

Premiação tem como intuito homenagear as empresas, entidades e profissionais ligados à cadeia produtiva da cana-de-açúcar [...]

ler mais

A falta de especificidade para a colheita de soja canavieira 12 de Julho 2019

Por: Marino Guerra   É nítido que a realidade do canavieiro que planta soja na rotação de cultura é completamente [...]

ler mais

De braços tecnológicos abertos 12 de Julho 2019

Por: Marino Guerra   Ainda não foi dessa vez que um dos principais fabricantes de autopropelidos lançou na Agrishow uma máquina que [...]

ler mais

Regularização ambiental no Estado de São Paulo 05 de Julho 2019

*Juliano Bortoloti *Diego Henrique Rossaneis   Prezados leitores, com o advento do Novo Código Florestal (Lei nº 12.651/2012), [...]

ler mais

Atenção às plantas daninhas 05 de Julho 2019

Por: Diana Nascimento Nos dias 22 e 23 de maio, o Centro de Eventos do Ribeirão Shopping foi palco do 18º Herbishow (Seminário sobre [...]

ler mais

Consumo de hidratado cresce 36% em 4 meses 05 de Julho 2019

Reflexões dos Fatos e Números do Agro Há períodos em que esta análise mensal do agro só apresenta números [...]

ler mais

@ 2019 Agronegócios Copercana Todos os direitos reservados