O que teremos para o jantar em 2030?

*Oswaldo Junqueira Franco
 
É, parece que o futuro chegou. O ano de 2030 está logo aí, a apenas 11 anos de hoje. Estima-se que seremos 8.5 bilhões de pessoas no planeta, precisando de roupas, abrigo, transporte e, sobretudo, de comida. Nesses 12 (ou 23?) mil anos de agricultura, nunca antes tivemos tantas bocas a alimentar. Apesar de todo o avanço tecnológico, nós, seres humanos, ainda precisamos nos alimentar todos os dias.
 
As tendências observadas ao longo do século passado e início deste, de aumento da urbanização e da renda, devem continuar. Estima-se que teremos 90% da população mundial morando em cidades, e que 60% dessa será de classe média. Gente mais urbanizada e próspera demandará mais alimentos industrializados e, em particular, proteínas. E essa demanda coloca uma enorme pressão sobre a oferta global de alimentos.
 
Nos últimos 40 anos, o uso de tecnologia permitiu ao Brasil aumentar sua produção de grãos em expressivos 406%, enquanto que a área plantada cresceu apenas 63%. Ganhos de produtividade permitiram uma economia de cerca de 129 milhões de hectares. O Brasil possui hoje 2/3 de seu território conservados como vegetação nativa, e conta com vastas extensões de pastagens degradadas que podem ser convertidas à agricultura. Com clima favorável e disponibilidade de solos e de água, o Brasil se consolida como o grande produtor de alimentos para o mundo.
 
Ainda assim, os desafios são imensos. Dados da Embrapa indicam que o Brasil precisará produzir grandes volumes de excedentes exportáveis, a fim de atender à crescente demanda mundial. Para ilustração, comparamos esses volumes com aqueles produzidos em 2017 por outros países.
 
No complexo grãos, teremos que produzir mais  20 milhões de t de soja e 31 milhões de t de milho, equivalentes a mais de uma China (15.2 milhões de t) e uma Argentina (31 milhões de t). No complexo carnes, serão necessárias mais 3.3 milhões de t de carne bovina (ou uma Argentina, com 2.8 milhões); 5.1 milhões de t de carne de frango (ou uma Índia com 4.6 milhões de t) e 1.6 milhão de t de carne suína (ou um Canadá, com 1.9 milhão de t). Por fim, o Brasil terá que produzir mais 7.1 milhões de bales de algodão, pouco menos que a produção do Paquistão em 2017 (8.2 milhões de bales).
 
Esse salto de produção só será possível através do uso intensivo de tecnologia para aumento de produtividade. A adoção de novas tecnologias demandará investimentos, ou seja, recursos financeiros a custos competitivos. Não apenas empréstimos bancários, mas também fontes adicionais, tais como soluções de “supply chain finance”, o mercado de capitais e aportes por investidores. O acesso a essas fontes de financiamento demandará do agronegócio uma gestão eficiente “da porteira pra fora”, somando-se assim, à excelência atingida na produção “da porteira pra dentro” comprovada pelos resultados dos últimos 40 anos.
 
O que teremos para o jantar em 2030? O jantar ainda não está servido, então vamos trabalhar!
 
*Oswaldo Junqueira Franco é economista pela FEARP-USP e MBA em Finanças Corporativas pelo IBMEC. É sócio da Agronomics, consultoria de gestão especializada no Agronegócio

mais
Notícias
do setor

Recuperação Judicial será revista 19 de Junho 2019

Por: Marino GuerraDentre as diversas reformas necessárias enumeradas pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, na sua [...]

ler mais

Em busca da paridade 19 de Junho 2019

Por: Marino Guerra   Durante o Ethanol Summit o representante do Ministério de Minas e Energia, Miguel Lacerda, falou sobre o investimento que a [...]

ler mais

Couro grosso 18 de Junho 2019

Por: Marino Guerra   Em seu discurso durante o Ethanol Summit, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que ela e o ministro do Meio Ambiente, [...]

ler mais

Enquanto a reforma não vem 18 de Junho 2019

Por: Marino Guerra No Ethanol Summit o governador de São Paulo, João Dória, citou o lançamento do Corolla Híbrido (primeiro [...]

ler mais

Marcos Fava Neves lança livro sobre a cana no Ethanol Summit 18 de Junho 2019

O Professor da USP e da FGV Marcos Fava Neves lança em 18 de junho (terça-feira), durante o Ethanol Summit - maior evento do setor [...]

ler mais

R$ 9 bi aos canaviais 17 de Junho 2019

Por: Marino GuerraNa abertura do Etanol Summit, foi feita a cerimônia de assinatura do programa que autoriza o setor sucroenergetico a emitir [...]

ler mais

@ 2019 Agronegócios Copercana Todos os direitos reservados