China busca maior cooperação com o Brasil na produção de etanol

Na última semana (11/05), executivos da State Development & Investment Corp (SDIC), uma das maiores empresas de investimentos da China, estiveram na sede da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), em São Paulo (SP), buscando dados sobre a indústria sucroenergética brasileira e formas de cooperação entre empresas e entidades dos dois países.

Recebidos pela presidente da UNICA, Elizabeth Farina, e pela Relações Públicas, Julia Tauszig, a delegação liderada pelo Chairman da companhia chinesa, Wang Huisheng, recebeu informações detalhadas sobre a experiência bem-sucedida do etanol no Brasil, particularmente sobre o cenário da produção, com foco especial em políticas públicas como o Programa RenovaBio.

A viagem dos representantes da SDIC ao Brasil tem como pano de fundo o plano da China de aumentar o uso de biocombustíveis em sua matriz de transporte. O governo chinês anunciou um audacioso plano de mistura de 10% de etanol à gasolina (E10) em todo o país a partir de 2020.

Donos de uma frota automotiva gigantesca, que ultrapassa 200 milhões de veículos, grande parte deles movidos a combustíveis fósseis (gasolina e diesel), os chineses têm o desafio de descarbonizar o transporte urgentemente. No Acordo de Paris, assinado em 2015, a China comprometeu-se a reduzir a intensidade de carbono de sua economia a partir de 2030, aumentando o uso e produção de energias renováveis e a cobertura vegetal.

Produção 2G
No dia anterior à UNICA, representantes da SDIC visitaram a Usina Costa Pinto, pertencente ao Grupo Raízen na região de Priracicaba (SP). A proposta foi conhecer de perto a fabricação do etanol de segunda geração (2G), produto feito a partir de resíduos agrícolas, caso do bagaço e da palha da cana no Brasil.

Na China, a SDIC já adquiriu quatro plantas para produção de etanol de milho e tem planos de investir em mais seis plantas. Hoje, as quatro unidades já em funcionamento produzem aproximadamente 2.6 milhões  toneladas ao ano, com meta de 13 milhões ton./ano até 2020.

Até lá, a prioridade da China deverá ser a utilização dos estoques públicos de milho, boa parte considerada imprópria para o consumo humano e animal, que atinge hoje cerca de 140 milhões de toneladas. A partir daí, deverá haver uma maior diversificação de fontes como a mandioca e sorgo doce para produzir o combustível 2G.

mais
Notícias
do setor

Tudo que não puder contar como fez, não faça! 18 de Maio 2018

Por: Marino Guerra Immanuel Kant já dizia: “tudo aquilo que eu fizer e envergonhar-me a mim mesmo não devo fazer. É dizer, se [...]

ler mais

Produtores de Mato Grosso vendem milho de 2019 no embalo da [...] 18 de Maio 2018

Agricultores brasileiros estão comprometendo milho de 2019 antes mesmo da conclusão da colheita de 2018, com o acentuado aumento dos [...]

ler mais

Soja tem boas altas em Chicago nesta 6ª feira com correção [...] 18 de Maio 2018

Os preços da soja, nesta sexta-feira (18), trabalham em campo positivo na Bolsa de Chicago. Depois de uma nova rodada de baixas ontem, o mercado [...]

ler mais

Preços do açúcar fecham em queda na bolsa de Nova York 18 de Maio 2018

Na sessão realizada ontem (17), os preços do açúcar tiveram retração na bolsa de Nova York, quebrando a [...]

ler mais

Sustentabilidade que emprega 17 de Maio 2018

A Economia Verde pode criar 24 milhões de novos empregos no mundo todo até 2030. Muitos deles, no setor agro na agricultura com baixa [...]

ler mais

Açúcar: preços fecham em alta em Nova York e Londres 17 de Maio 2018

Os preços do açúcar fecharam em alta na bolsa de Nova York nesta quarta-feira (16). Uma nota divulgada pelo jornal Valor Econômico [...]

ler mais

@ 2018 Agronegócios Copercana Todos os direitos reservados